São Paulo
16º

Documentários

Vamos entender sobre a importância da atuação do Farmacêutico no tratamento do câncer

Vídeo Dicas

Saiba o que são os produtos naturais neste vídeo-dica do Saúde Brasil.

Mais Vídeos

Novo decreto reforça o papel da família na decisão da doação de órgãos

O presidente da República, Michel Temer, assinou nesta quarta-feira (18), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), um novo decreto que regulamenta a Lei nº 9.434/1997 e moderniza o Sistema Nacional de Transplantes. O documento traz novidades, entre elas, a importância da família na decisão da doação de órgãos. O novo texto retira a “doação presumida” do decreto anterior, o que reforça o papel dos parentes próximos na autorização. 

Este termo já tinha sido alterado pela Lei 10.211/2001, que definiu pelo consentimento familiar. No entanto, o decreto antigo ainda citava o consentimento presumido e precisava ser atualizado com as legislações posteriores. “Este novo decreto vai fortalecer a legislação que regula todo o processo de doação e transplante no Brasil, de modo a aperfeiçoar o funcionamento do Sistema Nacional de Transplantes frente à evolução das ações e serviços da rede pública e privada de saúde”, pontuou o ministro substituto da Saúde, Antônio Nardi.

Existe também a inclusão do companheiro como autorizador da doação, pois, atualmente, este é equiparado à condição de esposo/esposa para efeitos civis. Sendo assim, não será necessário estar casado oficialmente para fazer a autorização, o que está de acordo, inclusive, com as mais recentes decisões do Supremo Tribunal Federal (STF).

Outra alteração do decreto atende uma demanda do Conselho Federal de Medicina (CFM) e retira a exigência do médico especialista em neurologia para diagnóstico de morte encefálica, assunto amplamente debatido e acordado com as entidades médicas. Deste modo, a constatação da morte encefálica deverá ser feita por médicos com capacitação específica, observando o protocolo estabelecido. A medida dá segurança a equipe médica para o diagnóstico e possibilitará a imediata conversa com a família sobre a doação de órgãos.

Outro avanço é a ampliação do prazo de validade das autorizações dos estabelecimentos de saúde e equipes de transplantes no País, que passa de dois para quatro anos. O prazo antigo era considerado insuficiente, uma vez que o processo que autoriza as equipes de transplante com expertise comprovada demanda esforços em todas as esferas de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS), o que levava tempo e não agregava qualidade e eficiência ao processo. 

O decreto traz a inclusão da Central Nacional no Sistema Nacional de Transplantes, inclusive sua articulação com a FAB (Força Aérea Brasileira) no transporte de órgãos, formalizada por decreto do presidente Temer, em 2016.

Com a modernização da legislação, a regulação dos transplantes passa a comportar e atender as reais necessidades e demandas atuais da sociedade. O objetivo é promover o desenvolvimento do processo de doação no Brasil. A revisão reforça o caráter altruístico e voluntário das doações de que tratam o novo decreto e sendo mais um cuidado na prevenção a qualquer tentativa de exploração de pessoas vulneráveis.

O ato presidencial coincide com a abertura do congresso da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, em Foz do Iguaçu  (PR) e o Dia do Médico. 

SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTES - O Brasil possui o maior sistema público de transplantes no mundo e atualmente cerca de 95% dos procedimentos de todo o Brasil são financiados pelo SUS. Em números absolutos, o Brasil é o 2º maior transplantador do mundo, atrás apenas dos EUA. Os pacientes possuem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante. A rede brasileira conta com 27 Centrais de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos, além de 14 câmaras técnicas nacionais, 506 Centros de Transplantes, 825 serviços habilitados, 1.265 equipes de Transplantes, 63 Bancos de Tecidos, 13 Bancos de Sangue de Cordão Umbilical Públicos, 574 Comissões Intra-hospitalares de Doação e Transplantes e 72 Organizações de Procura de Órgãos.

Os investimentos na área também têm sido constantes e crescentes. Os recursos mais que dobraram entre 2008 e 2016, passando de R$ 453,3 milhões para R$ 942,2 milhões. Para 2017, a previsão é R$ 966,5 milhões. Com esse orçamento, é possível, por exemplo, capacitar equipes e estruturar mais todo o serviço, permitindo que a pasta tenha condições de reduzir a lista de espera, que atualmente é de 41.122 pessoas, e a taxa de recusa familiar.

SERVIÇO - A doação de órgãos ou tecidos pode advir de doadores vivos ou falecidos. Doador vivo é qualquer pessoa saudável que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. O doador vivo pode se dispor a doar um dos rins, parte do fígado ou do pulmão e medula óssea. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Fora desse critério, somente com autorização judicial. Já o doador falecido é a pessoa em morte encefálica cuja família pode autorizar a doação de órgãos e/ou tecidos, assim como a pessoa que tenha falecido por parada cardíaca que, nesse caso, poderá doar tecidos.

Quais órgãos podem ser doados?
Doador falecido: Coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino, rins, córnea, vasos, pele, ossos e tendões. Portanto, um único doador pode salvar inúmeras vidas. A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico, como qualquer outra cirurgia.

Doador vivo: 1 dos rins, parte do fígado ou do pulmão e medula óssea.

Ministério da Saúde libera R$ 33 milhões para ampliar e qualificar o SAMU 192

O Ministério da Saúde vai reforçar o atendimento de urgência e emergência em 155 municípios do país. Nesta terça-feira, foram liberados mais R$ 33 milhões por ano para ampliar e qualificar o SAMU 192. Esses recursos serão destinados a 241 serviços, um total de 148 ambulâncias, oito motolâncias, dois aeromédicos, uma ambulancha e sete centrais de regulação. O anúncio foi feito pelo ministro Ricardo Barros, em Brasília.

Acesse aqui a apresentação com os dados divulgados na coletiva

O novo aporte garante o funcionamento de 57 serviços que ainda não recebiam custeio federal, sobrecarregando estados e municípios. Ao todo, serão habilitadas com o reforço 50 ambulâncias, cinco motolâncias, um aeromédico e uma central de regulação, um impacto de R$ 13 milhões por ano. Além disso, 118 serviços que já recebem verbas federais serão beneficiados com mais R$ 20 milhões anuais para ampliar e qualificar a rede do SAMU 192. Ao todo, 173 ambulâncias, 03 motolâncias, 01 aeromédico, 01 ambulancha e 06 Centrais de Regulação, localizados em 10 estados, passam a receber esses recursos.

“A partir de agora, esses municípios poderão contar com o apoio do governo federal para continuar oferecendo atendimento de qualidade à população. É importante ressaltar que, nesta gestão, todos os pedidos para habilitação e qualificação de SAMU e UPA 24hs dos municípios que entregaram a documentação exigida em Portaria foram atendidos. Nosso compromisso é ampliar e melhorar o atendimento da rede de urgência e emergência do país, beneficiando toda a população”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante coletiva.

57% DA FROTA RENOVADA – Na última semana, o governo federal entregou 225 novas ambulâncias para renovar a frota do SAMU 192 em todo país. A entrega foi feita em São Paulo pelo Presidente da República, Michel Temer, e o ministro da Saúde, Ricardo Barros. A nova remessa se soma aos 340 veículos já entregues no início do ano. Mais de R$ 1 bilhão são investidos para fortalecer o atendimento aos usuários do SUS. Ao todo, serão 2.249 ambulâncias para renovação e ampliação do SAMU 192. Com isso, 57% da frota será renovada.

Além da renovação, o Ministério da Saúde vai destinar outras 402 ambulâncias para expansão do SAMU 192. A medida beneficiará 134 municípios que ainda não possuem esse tipo de serviço. Com a expansão, a cobertura da população chegará a 84,1%, ou seja, 173 milhões de brasileiros.

Com o investimento estão sendo adquiridas 1.000 vans para transporte sanitário eletivo; 1.500 ambulâncias do SAMU 192 e 6.500 ambulâncias brancas - usadas no transporte de pacientes que necessitam de locomoção para os serviços de saúde, além de garantir o transporte de pacientes entre municípios e serviços de referência em outras cidades. Essa ação facilita o acesso a consultas, exames e internação para cirurgias eletivas, beneficiando diretamente milhões de pessoas em todo o Brasil.

O objetivo do SAMU, que funciona 24h por dia, é socorrer rapidamente pacientes com necessidade de serem levados a unidades que prestam serviços de urgência e emergência, como UPAs e hospitais, para atendimentos clínicos, cirúrgicos, obstétricos, entre outros, evitando sofrimento, sequelas ou até mesmo a morte da pessoa. O acionamento do SAMU se dá pela ligação gratuita à Central de Regulação de Urgências, por meio do número 192.

PANORAMA SAMU – Atualmente, o SAMU atende 81,8% da população brasileira, atuando em 3.514 municípios. Em todo o País, o Ministério da Saúde já habilitou 3.255 unidades móveis, sendo 2.659 Unidades de Suporte Básico e 596 de Suporte Avançado. Além disso, o Brasil conta com 267 Motolâncias, 13 Equipes de Embarcação, 12 Equipes Aeromédicas e 191 centrais de regulação, com um investimento de R$ 714,7 milhões ao ano.

O objetivo do SAMU 192, que funciona 24h por dia, é socorrer rapidamente pacientes com necessidade de serem levados a unidades que prestam serviços de urgência ou emergência, como hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPA), para atendimentos clínicos, cirúrgicos, obstétricos, entre outros, evitando sofrimento, sequelas ou mesmo a morte.

O acionamento do SAMU se dá pela ligação gratuita à Central de Regulação de Urgências, pelo número 192. A partir do atendimento, as equipes formadas por médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e condutores socorristas são destacados para prestar o atendimento.

 

MODALIDADE

TIPO

UF

MUNICÍPIO

QTD

 VALOR ANUAL

HABILITAÇÃO

AEROMÉDICO

AL

MACEIO

1

R$ 462.000,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

BA

CONCEICAO DO JACUIPE

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

BA

IARARÁ

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

BA

CAONCEIÇÃO DO JACUÍPE

1

R$ 116.652,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

ALTO SANTO

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

BOA VIAGEM

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

CANINDÉ

2

R$ 619.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

FORTALEZA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

ITAPIPOCA

2

R$ 619.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

JAGUARUANA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

QUIXERAMOBIM

2

R$ 619.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

TABILEIRO DO NORTE

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

ES

AFONSO CLAUDIO

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

ES

BREJETUBA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

ES

ITAGUACU

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

ES

PIUMA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

ES

SANTA MARIA DE JETIBA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

ES

SANTA TERESA

1

R$ 462.000,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

GO

CIDADE OCIDENTAL

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

MA

DUQUE BACELAR

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

MT

SAPEZAL

1

R$ 204.750,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PA

JACUNDÁ

1

R$ 204.750,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PA

PARAUAPEBAS

1

R$ 600.600,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PA

TAILÂNDIA

1

R$ 204.750,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PA

TUCURUI

1

R$ 204.750,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PI

CONCEICAO DO CANINDE

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PR

IVAIPORÃ

2

R$ 619.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PR

MANOEL RIBAS

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PR

MARINGÁ

1

R$ 462.000,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

PR

SÇAO JOÃO DO IVAÍ

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

RJ

CARMO

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

RO

CAMPO NOVO DE RONDONIA

2

R$ 409.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

CAJOBI

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

CAMPOS DO JORDAO

2

R$ 315.000,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

LAGOINHA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

NATIVIDADE DA SERRA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

REDENCAO DA SERRA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

SANTO ANTONIO DO PINHAL

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

SAO LUIS DO PARAITINGA

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

TAUBATE

5

R$ 1.092.000,00

HABILITAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

TREMEMBE

1

R$ 157.500,00

HABILITAÇÃO

CENTRAL DE REGULAÇÃO

SP

TAUBATE

1

R$ 823.200,00

HABILITAÇÃO

MOTOLÂNCIA

BA

ITABUNA

1

R$ 84.000,00

HABILITAÇÃO

MOTOLÂNCIA

CE

CAUCAIA

1

R$ 84.000,00

HABILITAÇÃO

MOTOLÂNCIA

CE

MARACANAÚ

1

R$ 84.000,00

HABILITAÇÃO

MOTOLÂNCIA

CE

SOBRAL

1

R$ 84.000,00

HABILITAÇÃO

MOTOLÂNCIA

PR

FOZ DO IGUACU

1

R$ 84.000,00

QUALIFICAÇÃO

AEROMÉDICO

PR

CASCAVEL

1

R$ 116.652,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULANCHA

BA

BOM JESUS DA LAPA

1

R$ 360.000,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

BA

EUNÁPOLIS

3

R$ 338.832,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

BA

ITABELA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

BA

PORTO SEGURO

4

R$ 433.236,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

BA

SIMÕES FILHO

3

R$ 327.708,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

CE

EUSEBIO

1

R$ 116.652,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

GO

ALEXANIA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

GO

JATAI

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

GO

RIO QUENTE

2

R$ 211.056,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

GO

SANTA HELENA DE GOIAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

GO

SENADOR CANEDO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

AIURUOCA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ALEM PARAIBA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ALFENAS

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ANDRADAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ANDRELANDIA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ASTOLFO DUTRA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

BICAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

BOA ESPERANCA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

BOM JARDIM DE MINAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

CAMBUI

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

CAMPOS GERAIS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

CARANGOLA

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

CARMO DO RIO CLARO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

CASSIA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

CATAGUASES

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

CAXAMBU

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

DELFINOPOLIS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ERVALIA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ESPERA FELIZ

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

EXTREMA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

FERVEDOURO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

GOIANA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

GUAPE

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

GUAXUPE

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

ITAJUBA

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

JUIZ DE FORA

8

R$ 866.472,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

LAMBARI

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

LARANJAL

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

LAVRAS

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

LEOPOLDINA

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

LIMA DUARTE

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

LUMINARIAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

MACHADO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

MATIAS BARBOSA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

MIRAI

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

MURIAE

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

NEPOMUCENO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

NOVA RESENDE

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

OURO FINO

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

PARAISOPOLIS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

PASSOS

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

PATROCINIO DO MURIAE

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

PIUMHI

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

POUSO ALEGRE

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

RIO POMBA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

RIO PRETO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SANTA RITA DE CALDAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SANTA RITA DO SAPUCAI

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SANTOS DUMONT

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SAO GONCALO DO SAPUCAI

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SAO JOAO NEPOMUCENO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SAO LOURENCO

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SAO ROQUE DE MINAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SAO SEBASTIAO DO PARAISO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

SENADOR FIRMINO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

TRES CORACOES

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

TRES PONTAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

UBA

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

VARGINHA

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

MG

VISCONDE DO RIO BRANCO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

BELÉM

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

BOQUEIRÃO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

COREMAS

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

DIAMANTE

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

GUARABIRA

3

R$ 327.708,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

IBIARA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

REMÍGIO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

SOLÂNEA

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PB

IAGARACY

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

ANGELIM

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

BOM CONSELHO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

CAETÉS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

CAPOEIRAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

GARANHUNS

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

JATAÚBA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

JUPI

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

LAGOA DO OURO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

LIMOEIRO

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

PANELAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

PARANATAMA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

PAULISTA

4

R$ 433.236,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

SALOÁ

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

SÃO JOÃO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PE

TAQUARITINGA DO NORTE

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PR

ARAPONGAS

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

PR

PONTA GROSSA

4

R$ 433.236,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

RJ

RIO BONITO

2

R$ 222.180,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

RJ

SILVA JARDIM

2

R$ 211.056,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

CAÇAPAVA

2

R$ 211.056,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

JACAREÍ

4

R$ 433.236,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

JAMBEIRO

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

NOVA GRANADA

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

SANTO ANTÔNIO DO JARDIM

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

SANTOS

5

R$ 538.764,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

9

R$ 972.000,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

SP

TATUÍ

1

R$ 105.528,00

QUALIFICAÇÃO

AMBULÂNCIA

TO

PALMAS

6

R$ 852.040,80

QUALIFICAÇÃO

CENTRAL DE REGULAÇÃO

BA

EUNÁPOLIS

1

R$ 127.260,00

QUALIFICAÇÃO

CENTRAL DE REGULAÇÃO

MG

JUIZ DE FORA

1

R$ 335.118,00

QUALIFICAÇÃO

CENTRAL DE REGULAÇÃO

MG

VARGINHA

1

R$ 398.748,00

QUALIFICAÇÃO

CENTRAL DE REGULAÇÃO

SP

SANTOS

1

R$ 271.488,00

QUALIFICAÇÃO

CENTRAL DE REGULAÇÃO

SP

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

1

R$ 271.488,00

QUALIFICAÇÃO

CENTRAL DE REGULAÇÃO

TO

PALMAS

1

R$ 165.438,00

QUALIFICAÇÃO

MOTOLÂNCIA

BA

EUNÁPOLIS

1

---

QUALIFICAÇÃO

MOTOLÂNCIA

BA

PORTO SEGURO

1

---

QUALIFICAÇÃO

MOTOLÂNCIA

RJ

RIO BONITO

1

---

Total Geral

 

 

 

241

R$ 33.308.200,80

Ministério da Saúde repassa R$ 30,4 milhões de recurso extra para combate ao Aedes

O Ministério da Saúde liberou, neste mês de setembro, R$ 30,4 milhões, referente à segunda parcela de recurso adicional para o combate ao mosquito Aedes aegypti. Ao todo, 3.148 municípios em 20 estados e o Distrito Federal serão beneficiados porque cumpriram critérios para intensificar as medidas de prevenção e combate ao mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya.

Em janeiro de 2017, o Ministério da Saúde repassou R$ 91,2 milhões aos municípios de todos os estados, referente à primeira parcela. No total são R$ 152 milhões ao combate ao Aedes. Já o envio da segunda parcela foi condicionado ao cumprimento de alguns critérios, especialmente a realização do Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), no caso de cidades com mais de dois mil imóveis. Os municípios com menos de dois mil imóveis devem fazer o Levantamento de Índice Amostral (LIA) e o monitoramento por ovitrampa ou larvitrampa nas cidades sem infestação do mosquito. Também estão previstas metodologias alternativas, utilizadas pelas vigilâncias locais para monitorar o nível de infestação do mosquito Aedes.

O Ministro da Saúde, Ricardo Barros, destaca a importância desse recurso extra para os municípios. “Não podemos baixar a guarda diante de um vetor responsável por várias enfermidades. Por isso, subsidiamos estados e municípios com um reforço financeiro para a intensificação de ações que visam o controle das doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti, principalmente, no verão, período de maior circulação desse vetor”, afirmou o ministro.  

ANTECIPAÇÃO DE RECURSOS - Em decorrência da epidemia de febre amarela, ocorrida nos últimos meses, o Ministério da Saúde antecipou o repasse da segunda parcela do recurso extra para todos os municípios dos estados da Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, totalizando R$ 29,3 milhões. No entanto, alguns municípios da BA, CE, MG e SP terão que restituir ao Fundo Nacional de Saúde os valores recebidos antecipadamente por não terem cumprido os critérios para o recebimento destes recursos. As informações deveriam ser consolidadas pelas secretarias estaduais de saúde e repassadas ao Ministério da Saúde até o dia 30 de junho deste ano.

LIRAa – Considerado um instrumento fundamental para orientar as ações de controle da dengue, o Ministério da Saúde realiza, em conjunto com estados e municípios, o Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa). O levantamento possibilita aos gestores locais de saúde anteciparem as ações de prevenção.

DENGUE – Em 2017, até 02 de setembro, foram notificados 219.040 casos prováveis de dengue em todo o país, uma redução de 84,8% em relação ao mesmo período de 2016 (1.442.208). Com relação ao número de óbitos, também houve queda significativa (87%), reduzindo de 678 óbitos em 2016 para 88 em 2017. Da mesma forma, são os registros de dengue grave e com sinais de alarme que caíram 79,2% e 77,7%, respectivamente, de um ano para outro. Dengue grave diminuiu de 885, em 2016, para 184 em 2017. Já dengue com sinais de alarme baixou de 8.603, em 2016, para 1.913 em 2017.

Em todo país, a região Nordeste registrou o maior número de casos prováveis de dengue (81.447 casos; 37,1% em relação ao total do país), seguida das regiões Centro-Oeste (66.899; 30,5%), Sudeste (47.644 casos; 21,7%), Norte (20.526 casos; 9,3%) e Sul (2.524 casos; 1,1%).

A análise da taxa de incidência de casos prováveis de dengue (número de casos/100 mil hab.), segundo regiões geográficas, evidencia que as regiões Centro-Oeste e Nordeste apresentam as maiores taxas de incidência: 427,2 casos/100 mil hab. e 143,1 casos/100 mil hab, respectivamente. Entre as Unidades da Federação (UFs), destacam-se Goiás (810,2 casos/100 mil hab.), Ceará (484,4 casos/100 mil hab.) e Tocantins (342,1 casos/100 mil hab.)

CHIKUNGUNYA – Até 02 de setembro, foram registrados 171.930 casos prováveis de febre chikungunya, o que representa uma taxa de incidência de 83,4 casos para cada 100 mil habitantes. A redução é de 34,2% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 261.645 casos. A taxa de incidência no mesmo período de 2016 foi de 127 casos/100 mil/hab.. Neste ano, foram confirmados laboratorialmente 99 óbitos. No ano passado todo, foram 204 mortes confirmadas, o que indica uma redução de 51,4%.

A região Nordeste foi a que apresentou o maior número de casos prováveis (130.910 casos; 76,1% em relação ao total do país). Em seguida aparecem as regiões Sudeste (22.789 casos; 13,2%), Norte (14.888 casos; 8,6%), Centro-Oeste (3.081 casos; 1,7%) e Sul (262 casos; 0,1%). Entre as Unidades da Federação (UFs), destacam-se Ceará (1.187,4 casos/100 mil hab.) e Roraima (673,2 casos/100 mil hab.)

ZIKA Até 02 de setembro, foram registrados 15.586 casos prováveis de Zika em todo país, uma redução de 92,6% em relação a 2016 (211.487). A incidência reduziu 92,5%, passando de 102,6 em 2016 para 7,6 neste ano.

As regiões que apresentam maiores taxas de incidência são Centro-Oeste e Norte, com 35,9 casos/100 mil hab. e 13,9 casos/100 mil hab., respectivamente. Entre as UFs, destacam-se Tocantins (62 casos/100 mil hab.), Mato Grosso (59,4 casos/100 mil hab.) e Goiás (53,3 casos/100 mil hab.).

Em relação às gestantes, foram registrados 2.105 casos prováveis, sendo 728 confirmados por critério clínico-epidemiológico ou laboratorial.

 

2º PARCELA EXTRA AOS MUNICÍPIOS: 

UF

Total (R$):

Nº municípios

AC

439.764,83

22

AL

1.335.159,21

102

AM

2.125.587,42

59

AP

469.309,55

16

DF

671.168,75

1

GO

2.316.783,53

246

MA

3.264.814,59

217

MS

856.806,23

79

MT

1.196.207,21

130

PA

3.875.483,35

105

PB

1.150.793,19

223

PE

2.786.731,59

184

PI

1.050.607,92

220

PR

1.969.735,81

391

RN

1.101.493,21

167

RO

916.771,89

52

RR

364.251,72

15

RS

2.047.845,38

470

SC

1.269.671,03

291

SE

688.811,87

74

TO

588.228,44

84

TOTAL

30.486.026,72

3148

Ministério da Saúde convoca 47 milhões de crianças e adolescentes para atualizar a vacinação

Até o dia 22, estarão disponíveis nos postos de saúde 13 vacinas para crianças até nove anos e oito para adolescentes de 10 a 15 anos. O Dia D acontece no próximo sábado

Crianças e adolescentes devem comparecer aos postos de vacinação até 22 de setembro para colocar em dia a sua imunização. Esse é o período da Campanha de Multivacinação do Ministério da Saúde, lançada pelo ministro Ricardo Barros, em Brasília. Neste ano, serão convocados mais de 47 milhões de crianças menores de cinco anos, crianças de nove anos e também adolescentes de 10 a 15 anos incompletos para atualizarem o calendário vacinal. Mais da metade (53%) desse público já deveriam ter sido estar com o seu calendário de vacinação completo e o Ministério alerta sobre os riscos da baixa cobertura vacinal.

Confira aqui a apresentação feita pelo ministro Ricardo Barros

Nos 12 dias de mobilização, treze vacinas para crianças e oito para adolescentes - estarão à disposição da população. A campanha envolverá 36 mil postos fixos de vacinação e 350 mil profissionais de saúde. Além do envio de 143,9 milhões de doses de vacina de rotina, o Ministério da Saúde ainda distribuiu aos postos de saúde 14,8 milhões de doses extras de 15 vacinas para a campanha.

No próximo sábado, 16/9, será o dia D da vacinação, quando postos de saúde em todo país estarão de portas abertas para imunizar crianças e adolescentes de doenças que ainda não estão eliminadas e, portanto, representam riscos para quem não estiver vacinado. Além disso, em complemento à campanha de Multivacinação, o Ministério da Saúde planeja instituir um dia nacional de vacinação nas escolas. “Pretendemos avançar ainda mais na conscientização dos pais para a importância da vacinação de crianças e adolescentes. A campanha que lançamos hoje reforça que todos os dias são dias de vacina. Só com essa conscientização é que a população brasileira estará protegida de uma série de doenças que são facilmente preveníeis apenas com vacinação,” enfatiza Ricardo Barros.

A campanha publicitária deste ano traz o slogan “Todo mundo unido, fica mais protegido”, chamando pais e responsáveis para a mobilização. Terão peças de TV, rádio, com veiculação nacional, internet, além de banners e cartazes que serão distribuídos nos postos de vacinação.

Confira aqui a campanha publicitária da Multivacinação 2017

CRIANÇAS NÃO VACINADAS – As crianças somente estarão protegidas com calendário de vacinação em dia. Por isso, o Ministério quer, com a mobilização, reforçar o acesso às vacinas, alertando estados e municípios da importância de manter elevadas coberturas vacinais, evitando o reaparecimento de doenças já controladas ou mesmo eliminadas no país.

Embora o país, de uma forma geral, tenha altas coberturas vacinais com alcance de meta de várias vacinas, ainda há uma heterogeneidade regional nas coberturas vacinais. “Ao desagregar os dados, vemos bolsões, locais, com baixas coberturas. Se, ao longo dos anos isso persistir, corremos o risco de ver de volta doenças que já não existem mais no Brasil”, alertou Carla Domingues.

Dados sobre vacinação recomendada para crianças ao nascer ou menores de completarem um ano, de acordo com os dados do Programa Nacional de Imunizações (PNI), apontam que 760 mil crianças ainda não foram vacinadas com BCG, 950 mil com a hepatite B, 470 mil crianças ainda não foram vacinadas com pneumocócica e rotavírus.

Ainda para esse grupo, 240 mil crianças não foram imunizadas com a vacina de meningite C. Já, a penta e poliomielite, também apresentam um grande números de crianças sem vacinação, são 320 mil crianças não vacinadas para a penta e 790 crianças não vacinadas para polio.

Dentre as recomendadas para crianças de um ano, estão as vacinas tríplice, com 150 mil crianças ainda por vacinar, pneumocócica, com 470 mil crianças por vacinar e meningite C com 180 mil crianças ainda não vacinadas. Já, para o grupo de vacinas recomendadas para crianças com 15 meses – hepatite A, DTP, Pólio e tríplice viral/Tetra – são 840 mil crianças sem vacina para hepatite A, 1,1 milhão para DTP, 800 mil para Pólio e 707 mil crianças sem vacina para tríplice viral.

A situação é mais crítica nas vacinas para adolescentes. Na meningocócica C, por exemplo, são 5,9 milhões de adolescentes de ambos os sexos na faixa de 12 e 13 anos ainda não se vacinaram. O mesmo ocorre na vacina de HPV. São 73,6% das meninas de 9 a 15 anos vacinas com a primeira dose e apenas 47% com duas doses. Já entre os meninos, 23,6% de adolescentes do sexo masculino foram vacinados aos 12 e 13 anos. Outra vacina para adolescentes com baixas coberturas é para a hepatite B, em 2016, não foram vacinados 1,3 milhão de jovens.

Também a vacina de febre amarela, que teve surto recentemente finalizado pelo Ministério da Saúde, tem estimativa de cerca de 2,4 milhões de pessoas vacinadas abaixo dos 14 anos.

Embora ainda existam crianças e adolescentes não vacinados, o número estimado de não vacinados não pode ser somado, já que as crianças ou adolescente podem não ter sido vacinados para mais de uma doença.

VACINAS - O Programa Nacional de Imunizações (PNI) distribui cerca de 300 milhões de imunobiológicos anualmente, dentre vacinas e soros, além de oferecer à população todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no Calendário Nacional de Vacinação. Nos últimos cinco anos, o orçamento do PNI cresceu mais de 140%, passando de R$ 1,2 bilhão, em 2010, para R$ 4,3 bilhões, em 2017.

INFLUENZA – A Multivacinação também é uma oportunidade para municípios que ainda tenham vacina contra influenza continuem a vacinar o público-alvo da campanha (menores de 15 anos).

Calendário de Vacinação da Criança

Calendário de Vacinação do Adolescente

BCG – ID

Hepatite B

Hepatite B (mantida dose ao nascer)

dT (Dupla tipo adulto)

Penta (DTP/Hib/Hep B)

Febre amarela

VIP (Vacina Inativada Poliomielite)

Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba)

VOP (vacina oral contra pólio)

dTpa

VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano)

HPV

Vacina Pneumocócica 10 valente

Vacina meningocócica conjugada tipo C

Vacina febre amarela

 

Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba)

DTP (tríplice bacteriana)

Vacina meningocócica conjugada tipo C

Tetraviral (Sarampo, rubéola, caxumba, varicela)

Hepatite A