São Paulo

Documentários

Um ato complexo, presente em nosso meio.

Vídeo Dicas

Mais Vídeos

Dia Mundial da Doença de Alzheimer

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa, progressiva e sem cura, que causa o declínio das funções cognitivas como a memória, a linguagem e a percepção, alterando a independência do paciente para realizar tarefas cotidianas.


Mudanças de comportamento, de personalidade e de humor também comumente fazem parte da evolução da doença.

 

A doença pode ser dividida em pelo menos três estágios: leve, moderado e avançado.

No início, os sintomas de esquecimento são geralmente pouco percebidos e comumente atribuídos ao envelhecimento. Aos poucos, há piora da memória, com repetitividade excessiva, dificuldade de guardar recados e de se manter atualizado com notícias e acontecimentos.

Também, surgem mais dificuldades para realização de tarefas complexas, como cuidar de finanças.
 
Na fase moderada, é necessário auxílio em atividades corriqueiras como se vestir e sair de casa. Na etapa final, quando o Alzheimer está em estado avançado, o paciente já não consegue mais tomar banho, comer sozinho ou cuidar da própria higiene.

Por ser uma doença sem cura, as formas de tratamento são indicadas para controlar e melhorar temporariamente os sintomas. Existem diferentes opções de tratamento, que incluem medicamentos, reabilitação cognitiva, terapia ocupacional, controle de pressão alta, diabetes e colesterol, além de atividade física regular.
 
A principal recomendação é que se a pessoa, ou alguém que lhe seja íntimo, perceber que a memória piorou em um intervalo de seis meses a um ano, procure um especialista para que possa ser feita uma avaliação, principalmente se notar dificuldades e declínios que interfiram no dia a dia. No Brasil, estima-se que existam cerca de 1,2 milhão de pessoas com Alzheimer - são cerca de 100 mil novos casos por ano.


COMO PREVENIR
 
• Tenha uma vida ativa e com objetivos;

• Pratique atividade física regular por pelo menos por 150 minutos por semana (preferencialmente aeróbica);

• Controle os fatores de risco cardiovascular, como a hipertensão e diabetes;

• Procure estudar e adquirir conhecimento;

• Trabalhe sua capacidade de concentração;

• Durma bem.

 
Os detalhes de uma só vida são coisas muito grandes pra esquecer!

II Concurso Literário Vita Alere

Memória Viva: Histórias de Sobreviventes do Suicídio

 

Já estão abertas as inscrições para o II Concurso Literário!

Se você já conviveu ou convive com o comportamento suicida, perdeu alguém para o suicídio ou enfrentou esse tema em seu meio de trabalho, seja ele na área da saúde, educação ou comunicação, mande sua história em forma de conto, crônica ou poesia.

A escrita pode ser terapêutica e eternizar não apenas a dor e a saudade, mas aquilo que ficou de quem partiu; de uma vida que não se resume ao ato final.
Um texto pode registrar e compartilhar como foi possível ressignificar um sofrimento que chegou quase ao limite e encontrar força para seguir em frente, depois de uma tentativa de suicídio.
Ao contar uma história, se pode dizer dos desafios e do aprendizado pessoal que uma experiência profissional tão difícil trouxe.

Serão premiadas as 3 primeiras obras. As 10 primeiras obras de cada categoria integrarão uma coletânea sobre histórias de sobreviventes do suicídio.
 

Informações: www.vitaalere/iiconcurso
Prazo de envio: 20 de setembro de 2018
Participe e divulgue!

 

II Simpósio Paulista de Prevenção e Posvenção do Suicídio

 

Inscrições abertas 
II Simpósio Paulista de Prevenção e Posvenção do Suicídio.

São poucas vagas com uma programação imperdível!

Local: Uninove Vergueiro - Anfiteatro - Rua Vergueiro, 235
Data: 29/09/19 - Sábado
Horário: 08:00 às 18:00
Os participantes receberão um certificado.

Não perca!
Realização: Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio
Apoio: Uninove - ABEPS - CVV

Programação e Inscrições: prevencaosuicidio.eventbrite.com.br

 

Lançamento do Livro Histórias de Sobreviventes do Suicídio

 

Dia 29/09 será o lançamento do Livro Histórias de Sobreviventes do Suicídio, com as obras vencedoras do I concurso literário e capítulos teóricos de Karen Scavacini, Luciana França Cescon, Elis Regina Cornejo e Izabela Guedes.

O livro poderá ser adquirido impresso por R$20,00 ou feito o download gratuito pelo site do Vita Alere (Materiais On Line).

SP prorroga vacinação contra pólio e sarampo por mais duas semanas

A vacinação contra sarampo e paralisia infantil (poliomielite) foi prorrogada até 14 de setembro no Estado de São Paulo. Nas próximas duas semanas, SP pretende alcançar cerca de 350 mil crianças ainda não vacinadas contra ambas as doenças.

O objetivo é atingir a meta de vacinar 95% do público infantil, com idade entre 1 ano e menores de cinco anos. Em SP, há 2,2 milhões de crianças nessa faixa-etária, e mais de 1,8 milhão delas já foi imunizada contra ambas as doenças durante a campanha.

A Secretaria de Estado da Saúde convoca os pais e responsáveis para levarem as crianças aos postos até a próxima semana. As doses de vacinas contra ambas as doenças seguem disponíveis nos postos.

A estratégia prorrogação segue a recomendação do Ministério da Saúde. Cada município pode organizar suas estratégias conforme as necessidades locais, incluindo os que eventualmente já tenham atingido a meta.

O Estado já aplicou mais de 3,7 milhões de doses de vacinas contra ambas as doenças, garantindo a imunização de 1.862.819 crianças contra pólio e 1.843.885 contra sarampo, conforme aponta o balanço feito pela pasta, com base nos dados informados pelos municípios.

Para atingir o total do público-alvo, ainda é preciso aplicar cerca de 340 mil doses da vacina contra paralisia infantil e de 360 mil contra sarampo.

 “Pedimos que os pais e responsáveis aproveitem essa prorrogação para levar as crianças aos postos. É fundamental aumentar a cobertura vacinal contra poliomielite e sarampo, contribuindo para eliminarmos os riscos da circulação dessas doenças no Estado de São Paulo”, afirma a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato.

A vacina é contraindicada para crianças imunodeprimidas, como aquelas submetidas a tratamento de leucemia e pacientes oncológicos. A Secretaria também orientou as prefeituras paulistas para que as salas de vacinação façam a triagem de crianças que tenham alergia à proteína lactoalbumina, presente no leite de vaca, para que estas recebam a vacina contra sarampo produzida pelo laboratório BioManguinhos. Além deste produto, os municípios também estão recebendo a vacina produzida pelo Serum Institute of India, enviada pelo Ministério da Saúde, e que contem a referida proteína. Essa vacina poderá ser aplicada normalmente nas crianças não alérgicas.

“Não há motivo para preocupação. No Brasil, a incidência de alergia ao leite de vaca é de 2%, portanto, trata-se de uma situação rara”, explica Sato. A reação alérgica pode ter como sintomas coceira, náusea, diarreia nas duas primeiras horas após a ingestão do alimento ou produto com o componente. Diante de qualquer suspeita, os pais ou responsáveis devem levar as crianças ao médico. Não há registro de casos de paralisia infantil em SP há 30 anos e, desde 2000, não existem casos autóctones de sarampo no Estado.

Audiência Pública debate incentivo a melhor desempenho em saúde

Evento promovido pela ANS acontece nesta terça-feira (12/06), às 14h

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realiza nesta terça-feira (12/06) uma audiência pública para receber sugestões da sociedade para ajudar a melhorar o desempenho em saúde das operadoras, sejam de planos médico-hospitalares ou exclusivamente odontológicos. A ideia é debater sobre incentivos econômico-financeiros e destacar as operadoras que apresentam melhores resultados em saúde para os seus beneficiários.

Atualmente, as operadoras já podem descontar o valor investido em Promoprev da sua margem de solvência, limitado a 10%. "É importante rever a regra atual e estimular a competição baseada em melhores resultados em saúde", explica Leandro Fonseca, diretor de Normas e Habilitação de Operadoras.

"A proposta é que os resultados em saúde das operadoras sejam captados por meio de indicadores que tragam o usuário para o centro do cuidado", afirma Karla Coelho, diretora de Normas e Habilitação de Produtos.

A atividade acontecerá das 14h às 18h, no auditório da Agência Nacional do Cinema (Ancine), localizada na av. Graça Aranha, 35/11º andar, centro do Rio de Janeiro. Os interessados em participar da audiência pública deverão encaminhar e-mail para eventos@ans.gov.br, informando nome, instituição e e-mail de contato.

A audiência pública será transmitida ao vivo via Periscope. Para acompanhar, é preciso fazer o download do aplicativo, se cadastrar como usuário e acessar o perfil do evento colocando ANS_Reguladora na ferramenta de busca.

Clique aqui e consulte os documentos disponíveis.

ANS realiza consulta pública sobre boas práticas em atenção à saúde

Contribuições podem ser feitas pelo site a partir de hoje (05/06)

 

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) começa a receber, a partir desta terça-feira (05/06), contribuições para a Consulta Pública nº 66, que trata do Programa de Certificação de Boas Práticas em Atenção à Saúde. Os documentos relativos ao tema estão disponíveis no portal da reguladora (clique aqui). O objetivo da consulta é reunir informações, subsídios, sugestões ou críticas relativas à proposta de Resolução Normativa que institui o programa. As contribuições poderão ser feitas até o dia 04/07, através de formulário específico já disponível.


"A consulta pública é uma etapa fundamental para a instituição de um programa justo e adequado, que efetivamente contribua com a mudança dos modelos assistencial e de remuneração de prestadores no Brasil", ressalta Rodrigo Aguiar, diretor de Desenvolvimento Setorial ANS.


O Programa de Certificação de Boas Práticas em Atenção à Saúde busca induzir melhorias no setor através da certificação de operadoras que desenvolverem projetos relacionados à melhoria do acesso à rede de prestadores, à qualidade da atenção à saúde e à experiência dos beneficiários de planos de saúde.


A primeira iniciativa do programa é o Projeto de Atenção Primária à Saúde (APS), que foi apresentado pela ANS em abril, durante divulgação da Agenda para o Desenvolvimento Setorial. O Projeto APS prevê a concessão, por intermédio de entidades acreditadoras independentes, de um selo de qualidade às operadoras que cumprirem requisitos pré-estabelecidos relacionados a essa temática. O objetivo de instituir o selo APS é estimular a qualificação, o fortalecimento e a reorganização da atenção básica, por onde os pacientes devem ingressar no sistema de saúde.


O projeto propõe ainda o estimulo à implementação de modelos inovadores de remuneração de prestadores no setor e a implementação de indicadores de atenção primária, em conformidade com evidências científicas, para monitoramento dos cuidados primários na saúde suplementar. Ainda, está sendo discutida uma parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Setorial (BNDES) para fomentar a implementação de projetos em APS nas operadoras de planos de saúde.


Estão disponíveis para consulta a minuta de Resolução Normativa e todos os anexos, entre eles o Manual de Certificação em Boas Práticas em Atenção Primária em Saúde, que define o conceito de APS e detalha os critérios que devem ser adotados pelas operadoras de planos de saúde e entidades acreditadoras interessadas em aderir à iniciativa.


Clique aqui e confira na íntegra a Consulta Pública nº 66.