Mortalidade materna por tromboembolismo é foco da SOGESP

16/10/2021 às 20:09

 

O objetivo é preparar médicos para combater a mortalidade materna por tromboembolismo. Para isso foram programadas diversas Lives.

             

Ao todo, serão 4 palestras ministradas pela Egle Couto, professora de Obstetrícia da faculdade de Medicina da PUC- Campinas, Venina Barros, presidente da CNE em tromboembolismo na mulher FEBRASGO, Fernanda Orsi, professora do Departamento de Patologia Clínica da UNICAMP e Denis José Nascimento, responsável pelo serviço de Obstetrícia do HC-UFPR.

 

A primeira palestra enfoca SAF (Sindrome Antifosfolipide) e gravidez, aspectos atuais, na qual abordam sobre esta patologia, uma trombofilia que é uma das mais frequentes na gravidez. É a mais trombogenica também, ou seja, as portadoras de SAF tem um alto risco de trombose e de perda fetal.

 

Na segunda aula, Venina Barros ira falar sobre o novo protocolo de prevenção do TEV na hospitalização de gestantes

 

A importância deste tema é que quando as gestantes ficam hospitalizadas para ter o parto, ou para um tratamento durante a gravidez, o risco de trombose venosa aumenta muito.

 

“Assim toda gestante quando for hospitalizada precisa ser avaliada para o risco de trombose e assim, identificarmos se precisa fazer profilaxia medicamentosa, ou seja, se precisa usar anticoagulantes ou não. Este escore foi desenvolvida pela Comissão Nacional especializada da FEBRASGO em Trombose e Hemorragia na mulher. Coordenei esta publicação pois sou a atual Presidente desta Comissão” completa Venina Barros.

 

Este protocolo é inédito a adaptado para a realidade brasileira. Está disponível para todos os ginecologistas gratuitamente no site da FEBRASGO. O intuito é difundir este conhecimento e prevenir as mortes maternas na hospitalização.

 

A terceira palestra será sobre o uso de heparina não fracionada e heparinas de baixo peso molecular em gestantes obesas: há diferença na eficácia?

 

Na Clínica Obstétrica do hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, 50% das gestantes na hospitalização são obesas. A obesidade é um fenômeno mundial e o tratamento com anticoagulantes deve ser personalizado nestas situações.

 

A última aula será sobre prevenção do TEV em gestantes com Covid19, pois é uma das doenças que mais causa trombose conhecidas. Na gestação, o risco de trombose já é aumentado, este risco é ainda maior, principalmente nas formas moderadas e graves do Covid, ou seja, aquelas que necessitam de hospitalização. A mortalidade por Covid19 nas gestantes brasileiras foi uma das mais altas do mundo.

 

Para mais informações acesse: www.sogesp.com.br

 

 

 

 

Voltar